Forum de Inovação Social

Acabo de receber a aprovação para um evento que queremos realizar mensalmente na PUC. Conseguimos o apoio da Vice Reitoria, da PUC Inovação, do NEATS – Núcleo de Estudos do Terceiro Setor e é claro, da ABCR e da Revista Filantropia.

Este primeiro encontro terá a minha presença e a do Odair Soares, da PUC Inova. É um evento que bolamos juntos com o objetivo de construir conhecimento através dos debates que iremos promover todo mês com palestrantes convidados. É também uma forma de ocupar um espaço que tenho visto abandonado nos últimos anos: a discussão entre os diversos atores envolvidos. Desde que o Forum Permanente do Terceiro setor do Senac deixou de existir (ironicamente não foi permanente) eu tenho visto somente ações isoladas em São Paulo. A Academia seguiu alguns rumos diferentes, surgiu um mercado de cursos, entidades como ABONG ou GIFE passaram a falar mais entre seus membros mas menos entre outras ONGs não participantes de suas redes, o RITS deixou de existir, o próprio SENAC focou em outras áreas e não propriamente no terceiro setor. Em paralelo, o próprio conceito de terceiro setor se vê hoje com outros olhos. As entidades filantrópicas se consideram um grupo a parte, muitas ONGs preferem outras terminologias, surgem novos atores que falam sobre empreendorismo e mais recentemente sobre os negócios sociais. Muita gente, pouco enredamento.

O Fórum de Inovação Social pretende humildemente contribuir para a conversa e o intercâmbio de experiências. Um espaço de aprendizagem e reflexão, gratuito, mensal, que se transforme aos poucos em referência.

O objetivo é garantir espaço aos participantes para a troca de idéias e experiências inovadoras na área social, garantindo a possibilidade de replicação e/ou intercâmbio com suas próprias ações cotidianas e em suas instituições.

A justificativa: Foi-se o tempo do assistencialismo puro e simples. A filantropia, aos poucos, cede lugar aos investidores sociais, que buscam resultados concretos, não só nos números, mas, principalmente na garantia de novas autonomias. Avançamos a um ponto de se falar em empresa social, uma organização que se posiciona entre as empresas privadas e as organizações não governamentais.

A defesa de causas relaciona-se, hoje em dia, a estratégias que garantam a saída do ciclo da miséria, nos casos de atendimentos a indivíduos em risco social. Novos mecanismos de garantias ecológicas que também garantam desenvolvimento econômico. Atendimentos de saúde que busquem não só minimizar conseqüências, mas também buscar curas, garantir políticas públicas, minimizar danos.

As ações sociais hoje buscam aliados nos setores empresariais, governamentais e fundacionais para que, juntos, inovem na solução de problemas. Não se trata somente de doações ou patrocínios, mas sim, de recursos que garantam saltos, melhorias, soluções. Esse é o mundo das novas tecnologias sociais, presentes, nas mais diversas manifestações de coletivos humanos.

Ao mesmo tempo, sabemos que para cada ação inovadora, existem dezenas, talvez centenas de instituições repetindo as mesmas rotinas de sempre. Não é proposital, mas acaba sendo prejudicial para o desenvolvimento. Milhares de ONGs atuam com parcos recursos, muitas vezes agindo isoladamente, quando poderiam desenvolver pressão por políticas públicas garantidoras ou mesmo uma atuação em rede.

Este Fórum será realizado mensalmente e pretende trazer sempre dois debatedores que garantam espaço de reflexão e ação. Nesta primeira edição contaremos com Marcelo Estraviz, presidente da ABCR e Odair Soares, da PUC Inovação.

Dia 19, a partir das 19:30, na PUC Monte Alegre.
Te espero lá!

Inscreva-se para receber conteúdos exclusivos

em primeira mão!